Pular para o conteúdo

Paraná alcança maior produção semestral de frangos e suínos da história em 2023

    Parana alcanca maior producao semestral de frangos e suinos da

    Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgados nesta quarta-feira (6), foram abatidas 532 milhões de unidades de frango de abril a junho deste ano, o que já gera um acúmulo de 1,07 bilhão no primeiro semestre (foram 532 milhões de unidades no primeiro trimestre, de janeiro a março), o maior recorde da história em termos de volume.

    O número de abates no primeiro semestre é 3,6% superior ao recorde anterior, registrado no segundo semestre de 2022. Além disso, o resultado é 7,7% superior ao volume produzido no mesmo período do ano passado. O crescimento da produção de frango no Paraná também segue em ritmo superior à média nacional. Em todo o Brasil, a produção no primeiro semestre registrou aumento de 2,2%.

    Dados mostram que desde o segundo semestre de 2021, quando o Paraná registrou pela primeira vez mais de 1 bilhão de unidades abatidas, o Estado vem batendo sucessivamente recordes semestrais de produção de frango.

    Os números levaram o Paraná a ampliar a vantagem que tem sobre os demais estados. Atualmente, o Estado responde por mais de um terço da produção. Rio Grande do Sul e Santa Catarina, que são os outros dois maiores produtores nacionais, têm cada um 13% de participação na produção nacional.

    Na comparação trimestral de maio a junho do ano passado, as 532 milhões de unidades representam um aumento de 5,8% na produção. O resultado também é superior à média nacional. Em todo o Brasil, o crescimento da produção na comparação entre os dois períodos foi de 4,7%.

    SUÍNOS

    A pesquisa do IBGE também apontou outro recorde na produção de alimentos no estado. De janeiro a junho, o Paraná registrou o maior número de abates semestrais de suínos da série histórica, iniciada em 1997. Foram 5,9 milhões de unidades nos primeiros seis meses do ano, 138 mil unidades a mais que no semestre anterior. o que representa um crescimento de 2,3%.

    Os números mantêm o Paraná como o segundo maior produtor nacional de carne suína, atrás de Santa Catarina, que atingiu 8,4 milhões de unidades no mesmo período.

    A diferença entre os estados, porém, vem diminuindo. No primeiro trimestre do ano, Santa Catarina foi responsável por 29,9% da produção nacional, enquanto o Paraná participou com 20,5% do total produzido pelo país. 7% e a produção paranaense já representa 21,4% do total nacional.

    Isso aconteceu porque, entre abril e junho, o Paraná atingiu pela primeira vez a marca de 3 milhões de suínos abatidos em um trimestre.

    Os resultados do Paraná na produção de proteína suína também são melhores que a média nacional. Em todo o Brasil, a produção no primeiro semestre de 2023 foi de 28,2 milhões de unidades, o que representa uma oscilação negativa de 0,1% em relação ao semestre imediatamente anterior.

    GADO

    Os dados divulgados nesta quarta mostram ainda que 615 mil bovinos foram abatidos no primeiro semestre no Paraná, o que representa uma queda de 2% em relação ao mesmo período do ano passado. No corte trimestral, o Estado registrou 322 mil abates de bovinos de abril a junho.

    OVOS

    No 2º trimestre de 2023, a produção de ovos de galinha foi de 1,05 bilhão de dúzias em todo o país. Esse valor é 2,9% superior ao do mesmo trimestre de 2022 e 2% superior ao trimestre imediatamente anterior. A produção foi a segunda maior já registrada. O Paraná teve o maior aumento trimestral dessa cadeia (5,87 milhões de dúzias), à frente do Rio Grande do Sul (4,76 milhões de dúzias), Ceará (4,42 milhões de dúzias) e São Paulo (3,40 milhões de dúzias).

    Com 10,1% da produção nacional, o Paraná é o segundo maior produtor de ovos do Brasil, atrás de São Paulo (26,5%) e à frente de Minas Gerais (8,9%) e Espírito Santo (8%).


    Jornal do campo
    Quer ficar por dentro do agronegócio brasileiro e receber as principais notícias do setor em primeira mão?

    Fonte
    Gostou das nossas dicas? Possui alguma outra que gostaria de compartilhar com a gente?
    Escreva para nós nos comentários!

    Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Jornal Do Campo