Pular para o conteúdo

Um cavalo rebelde requer paciência, persistência e muito treino.

    Cavalo indócil exige paciência, persistência e muito treinamento

    A livre movimentação das articulações em sua amplitude máxima permite que o corpo utilize toda a sua capacidade de geração de força de forma eficiente e segura, contribuindo para a evolução do movimento em sua forma mais adequada. A boa movimentação é fundamental para cavalos de qualquer modalidade, principalmente quando se trata de cavalos de Três Tambores. Um movimento limpo e de qualidade ajudará o animal a realizar todos os exercícios corretamente e gastando pouca energia.

    A quiropraxia tornou-se de suma importância para esses atletas, influenciando de forma vital na manutenção da saúde geral e no desempenho físico máximo desses animais.

    quiropraxia

    Esta técnica manual tem a capacidade de restaurar e modular a função do sistema nervoso, estimulando-o através de ajustes rápidos, precisos e específicos na coluna e membros com restrição de movimento, corrigindo a falha na comunicação neurológica, restaurando as funções do corpo e reduzindo a risco de desenvolver lesões.

    Na modalidade Três Tambores, é muito importante que o animal saiba manter seus movimentos e exercícios no ritmo solicitado pelo cavaleiro, conseguindo ficar junto e aceitando os comandos sem resistência ou reações negativas aos pedidos. Portanto, é necessário que todos os segmentos do seu corpo (cervical, toracolombar e pélvico) estejam em equilíbrio, pois é isso que fará com que ele funcione bem “encaixado”, com uma boa e correta movimentação para fazer a volta na velocidade máxima. Quando o animal começa a se “defender”, não continuando o movimento de forma harmoniosa e tentando mudar o exercício que lhe é pedido, muitas vezes quem está montando pensa que é o frescor do animal, obrigando-o a trabalhar mesmo mais, e pode haver uma restrição em seu movimento.

    O animal demonstra vontade de fazê-lo, mas não consegue executá-lo.

    Cavalos atletas estão constantemente sujeitos a disfunções musculoesqueléticas devido ao alto nível de atividade que realizam, sendo que a incidência aumenta quando a atividade física não é realizada de forma correta, quando a intensidade dos exercícios é exagerada, o cavaleiro não possui um nível mínimo de equitação , ou ainda o uso de equipamentos inadequados para aquele animal.

    E isso acontece porque dentro da coluna do cavalo passa a medula espinhal que é formada por tecido nervoso. Os neurônios são responsáveis ​​por transmitir e receber informações (impulsos nervosos) do cérebro para várias partes do corpo e vice-versa. Quando há algum distúrbio na coluna, esse fluxo de informações é interrompido ou prejudicado. Com o fluxo nervoso comprometido, os nervos passam a transmitir mensagens de forma errada, mas antes de manifestar a dor, o cavalo tenta compensar mudando sua postura a fim de poupar a estrutura afetada, isso altera toda a biomecânica e prejudica, além da saúde , o desempenho atlético do animal.

    Cavalos com ombros “travados”, pelve desalinhada, cervicais com falta de mobilidade são listas quiropráticas comumente encontradas em animais desta modalidade, pois os cavalos Drum forçam mais o segmento cervical e pélvico (posterior em geral). Esses distúrbios, quando não tratados precocemente, acabam restringindo a movimentação do animal e levando a problemas secundários, como desenvolvimento muscular desigual (gerando atrofia ou hipertrofia), lesões nas articulações, tendões ou ligamentos dos membros.

    A interação entre os sistemas muscular e esquelético está relacionada à simetria articular que facilita os padrões de movimento. Se as forças que atuam no corpo não estiverem devidamente equilibradas, as ações musculares, articulares e seus respectivos movimentos apresentarão alterações em seu padrão. Com a redução do controle neuromuscular por padrões de movimento ineficientes, as articulações sofrerão sérios problemas, devido à incapacidade de distribuir a carga de trabalho nos músculos alvo, por isso ocorrem lesões.

    Sintomas

    Posturas anormais, falta de concentração, dificuldades de aprendizagem, desconforto ao subir na sela, insubordinação ao montar, movimentos bruscos da cabeça, alterações de comportamento, entre outros sintomas podem ser causados ​​por um desalinhamento funcional de uma vértebra ou limitação da mobilidade de sua articulação . Quando isso ocorre, o cavalo pode sentir rigidez, tensão ou dor e consequentemente queda no desempenho.

    quiropraxia como prevenção

    Uma boa mobilidade articular faz com que a musculatura crie força e resistência, além de deixar o animal trabalhar mais relaxado. Estimular frequentemente as articulações destes atletas, através da quiropraxia, para que a mobilidade esteja constantemente bem desenvolvida e equilibrada é de extrema importância para eles, pois a estabilidade da coluna protege o sistema nervoso e é ele quem manda em tudo. Um cavalo precisa estar bem alinhado e equilibrado para poder ser treinado. E todo treinamento precisa ser baseado no bem-estar animal, valorizando a integridade física e psicológica do animal. Lembrando que a quiropraxia em animais é uma especialização exclusiva dos médicos veterinários e é aplicada como complemento à medicina convencional.

    Por: MV Esp. Bárbara Bini / Equoterapia – Quiropraxia e Fisioterapia Equina

    Fotos: Divulgação Equoterapia

    Leia mais sobre saúde animal aqui.



    Fonte: Agro