Pular para o conteúdo

SLC busca expandir plantio de soja para produção de algodão

    SLC cumpre plantio da soja precoce visando algodão, avalia avançar em arrendamentos



    SLC Agrícola enfrenta atraso no plantio de soja em 2023/24 devido ao clima adverso

    Por Roberto Samora

    SÃO PAULO (Reuters) – A SLC Agrícola registrou um atraso no seu plantio de soja em 2023/24 por causa do clima adverso, mas a empresa avalia que cumpriu o cronograma de semeadura das lavouras precoces, o que lhe possibilitará iniciar a segunda safra de algodão como planejado, afirmou o CFO da companhia nesta quinta-feira.




    Gostou das nossas dicas? Possui alguma outra que gostaria de compartilhar com a gente?



    Artigo da SLC Agrícola

    Notícias sobre a SLC Agrícola

    Visão geral do plantio de soja

    • Impacto do atraso no plantio
    • Previsões para a segunda safra de algodão
    • Área plantada com soja e projeções para o milho

    Implicações do clima adverso

    • Riscos para o milho segunda safra
    • Planejamento para a cultura da soja
    • Possíveis decisões a serem tomadas em fevereiro

    Expectativas para a produção de algodão e milho

    • Estimativas de crescimento na produção de algodão
    • Riscos para a produção de milho
    • Impacto dos preços baixos do milho



    Por Roberto Samora

    SÃO PAULO (Reuters) – A SLC Agrícola registrou um atraso no seu plantio de soja em 2023/24 por causa do clima adverso, mas a empresa avalia que cumpriu o cronograma de semeadura das lavouras precoces, o que lhe possibilitará iniciar a segunda safra de algodão como planejado, afirmou o CFO da companhia nesta quinta-feira.

    Ivo Brum indicou ainda, durante teleconferência para comentar os resultados trimestrais, que o El Niño tem trazido menos chuvas para o Centro-Oeste e Nordeste do país, o que põe em risco o milho segunda safra, cultivado em áreas de soja colhidas mais tardiamente. O algodão na safrinha entra nas áreas mais precoces da SLC.

    Até 2 de novembro, a empresa havia semeado 71,3% da área planejada com soja, atraso anual de 3%, que não deverá trazer impacto para a oleaginosa, ressaltou ele.

    “Nesse primeiro momento o importante para nós era ter cumprido a janela de plantio da soja precoce e superprecoce, isso foi feito dentro da janela adequada, isso foi importantíssimo”, afirmou Brum.

    Além de planejar plantar mais de 90 mil hectares com algodão na primeira safra, a SLC prevê semear 97,4 mil hectares na segunda safra, após a colheita da soja. A área plantada da companhia com soja deverá somar quase 337 mil hectares (incluindo sementes).

    Já em relação ao milho segunda safra, área projetada é de 103,4 mil hectares.

    “A cultura da soja não tem risco, ela vai ser plantada, o que pode ter é lá em fevereiro uma decisão se vale a pena ou não plantar o milho safrinha em março para aqueles hectares que ficaram em atraso”, comentou.

    Ele admitiu que, com a falta de chuva, eventualmente vai ter um atraso em uma fazenda ou outra, “e isso é geral em todo o Centro-Oeste”. Comentou ainda que, no momento, é difícil mensurar o tamanho do impacto para o plantio do cereal.

    Ao responder a pergunta de um analista, Brum disse que é “pouquíssimo provável” e “praticamente inviável” aumentar ainda mais a área de algodão, que deverá ter um crescimento de 27,4% na segunda safra e de 5% na primeira.

    “Porque tem que ter capacidade de plantio, mas mais importante, de colheita, com equipamento específico, beneficiadoras de algodão…”

    Sobre o milho em nível nacional, o executivo admite a possibilidade de redução na produção. “A margem está muito baixa, é normal que o produtor aplique menos insumos, tente economizar na semente mais barata, o potencial já deveria ser menor do que está apresentado,” disse ele.

    Se a janela de plantio ficar mais estreita, o potencial de produção se reduz ainda mais, afirmou o executivo, acrescentando que os preços mais baixos do milho podem afetar também a decisão de semear ou não o cereal na safrinha.

    “Temos que acompanhar isso, mas acho que existe um risco que a safrinha brasileira não produza tudo o que se desenha, mas isso vai depender do regime de chuvas em março e abril para a definição de safra no Centro-Oeste”, comentou.

    ARRENDAMENTOS

    Brum falou ainda que a alavancagem da SLC “está em patamares controlados, baixos até”, e que nesta linha a companhia avalia novos arrendamentos para plantio na temporada 2024/25, após a área total da empresa caminhar para ficar praticamente estável em 2023/24, em 674,4 mil hectares, conforme o guidance da empresa.

    “Tem potencial de crescimento importante até para aumentar esta alavancagem, e estamos focados nisso… logicamente isso vai impactar a safra 24/25, tem oportunidades surgindo, vemos propostas circulando no mercado, estamos buscando achar a melhor oportunidade para fazer a melhor alocação”, declarou.

    Ele disse que as negociações estão evoluindo e a empresa quer, até o final do ano ou pelo menos até abril de 2024, fechar negócio sobre o arrendamento para ter tempo de se organizar, comprar máquinas e fertilizantes para a nova área.

    Ao comentar o novo programa de recompras de até 4 milhões de ações da SLC, anunciado na véspera, ele afirmou que, em vez de a companhia comprar terras, faz sentido adquirir as próprias ações da SLC, “que são as terras mais baratas hoje para serem compradas” pela empresa.

    Ele disse também que, enquanto o preço da ação da empresa continuar em patamares abaixo do considerado adequado pelos seus administradores, “a gente vai ter eventualmente programas abertos para fazer compras de ações”.

    (Por Roberto Samora)

    Atraso no plantio de soja da SLC Agrícola devido ao clima adverso

    Por Roberto Samora

    Impacto do atraso no plantio de soja

    SÃO PAULO (Reuters) – A SLC Agrícola registrou um atraso no seu plantio de soja em 2023/24 por causa do clima adverso, mas a empresa avalia que cumpriu o cronograma de semeadura das lavouras precoces, o que lhe possibilitará iniciar a segunda safra de algodão como planejado, afirmou o CFO da companhia nesta quinta-feira.

    Ivo Brum indicou ainda, durante teleconferência para comentar os resultados trimestrais, que o El Niño tem trazido menos chuvas para o Centro-Oeste e Nordeste do país, o que põe em risco o milho segunda safra, cultivado em áreas de soja colhidas mais tardiamente. O algodão na safrinha entra nas áreas mais precoces da SLC.

    Atraso no plantio de soja

    Até 2 de novembro, a empresa havia semeado 71,3% da área planejada com soja, atraso anual de 3%, que não deverá trazer impacto para a oleaginosa, ressaltou ele.

    “Nesse primeiro momento o importante para nós era ter cumprido a janela de plantio da soja precoce e superprecoce, isso foi feito dentro da janela adequada, isso foi importantíssimo”, afirmou Brum.

    Cronograma de plantio da SLC Agrícola

    Além de planejar plantar mais de 90 mil hectares com algodão na primeira safra, a SLC prevê semear 97,4 mil hectares na segunda safra, após a colheita da soja. A área plantada da companhia com soja deverá somar quase 337 mil hectares (incluindo sementes).

    Já em relação ao milho segunda safra, área projetada é de 103,4 mil hectares.

    Impacto do clima no plantio de milho segunda safra

    Ele admitiu que, com a falta de chuva, eventualmente vai ter um atraso em uma fazenda ou outra, “e isso é geral em todo o Centro-Oeste”. Comentou ainda que, no momento, é difícil mensurar o tamanho do impacto para o plantio do cereal.

    Outlook para o cultivo de algodão e milho

    Ao responder a pergunta de um analista, Brum disse que é “pouquíssimo provável” e “praticamente inviável” aumentar ainda mais a área de algodão, que deverá ter um crescimento de 27,4% na segunda safra e de 5% na primeira.

    “Porque tem que ter capacidade de plantio, mas mais importante, de colheita, com equipamento específico, beneficiadoras de algodão…”

    Impacto da falta de chuva na produção de milho em nível nacional

    Sobre o milho em nível nacional, o executivo admite a possibilidade de redução na produção. “A margem está muito baixa, é normal que o produtor aplique menos insumos, tente economizar na semente mais barata, o potencial já deveria ser menor do que está apresentado,” disse ele.

    Se a janela de plantio ficar mais estreita, o potencial de produção se reduz ainda mais, afirmou o executivo, acrescentando que os preços mais baixos do milho podem afetar também a decisão de semear ou não o cereal na safrinha.

    Planos de arrendamento e recompra de ações

    Brum falou ainda que a alavancagem da SLC “está em patamares controlados, baixos até”, e que nesta linha a companhia avalia novos arrendamentos para plantio na temporada 2024/25, após a área total da empresa caminhar para ficar praticamente estável em 2023/24, em 674,4 mil hectares, conforme o guidance da empresa.

    “Tem potencial de crescimento importante até para aumentar esta alavancagem, e estamos focados nisso… logicamente isso vai impactar a safra 24/25, tem oportunidades surgindo, vemos propostas circulando no mercado, estamos buscando achar a melhor oportunidade para fazer a melhor alocação”, declarou.

    Ele disse que as negociações estão evoluindo e a empresa quer, até o final do ano ou pelo menos até abril de 2024, fechar negócio sobre o arrendamento para ter tempo de se organizar, comprar máquinas e fertilizantes para a nova área.

    Ao comentar o novo programa de recompras de até 4 milhões de ações da SLC, anunciado na véspera, ele afirmou que, em vez de a companhia comprar terras, faz sentido adquirir as próprias ações da SLC, “que são as terras mais baratas hoje para serem compradas” pela empresa.

    Ele disse também que, enquanto o preço da ação da empresa continuar em patamares abaixo do considerado adequado pelos seus administradores, “a gente vai ter eventualmente programas abertos para fazer compras de ações”.

    Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Jornal Do Campo

    Para alcançar 100% de pontuação nos testes de SEO, é importante focar na qualidade do conteúdo, na usabilidade do site, na presença de palavras-chave relevantes, na otimização de imagens e muito mais.

    No geral, o objetivo do SEO é melhorar a visibilidade do seu site nos mecanismos de pesquisa e proporcionar aos usuários uma experiência informativa e agradável.

    Siga as regras e diretrizes de SEO descritas no artigo acima e certifique-se de que sua estratégia de SEO está alinhada com as melhores práticas atuais para obter o máximo desempenho.

    Agora, vamos às perguntas com títulos HTML:

    Como otimizar o conteúdo do site para SEO?

    Qual é a importância das palavras-chave na estratégia de SEO?

    Como a otimização de imagens pode impactar o desempenho do meu site nos mecanismos de pesquisa?

    Por Roberto Samora

    Verifique a Fonte Aqui