Pular para o conteúdo

Secas e enchentes prejudicam cultivos no Paraná

    Temporais danificam áreas rurais e afetam produção de leite, hortaliças e grãos no Paraná | Tempo

    Sumário

    I. Situação crítica em União da Vitória

    1.1 Rio Iguaçu atinge nível preocupante

    1.2 Preocupação com escoamento da produção de leite

    1.3 Agricultores enfrentam prejuízos nas comunidades rurais

    II. Rebouças também é afetada pelas chuvas

    2.1 Danos em estradas rurais e pontes

    2.2 Perdas na produção agrícola

    Introdução

    “A situação é muito crítica e o rio continua subindo”, adverte Marcelo Schlenert, secretário de Agricultura de União da Vitória. Localizado na região Sul do Paraná, o município é um dos mais atingidos pelos temporais no estado. O nível do Rio Iguaçu, que corta a cidade, ultrapassou 7,8 metros e dados da Defesa Civil apontam que já são mais de 9 mil pessoas afetadas.

    Segundo o secretário, a maior preocupação é relacionada ao escoamento da produção de leite, uma vez que muitas estradas da região estão sem condições de trafegabilidade, incluindo a BR-476 que está com um trecho interditado.

    “A maioria da nossa produção de leite vai para outras cidades. Temos estradas alagadas e pontes danificadas nas comunidades rurais e as rodovias que chegam à nossa cidade também foram afetadas, dificultando a passagem dos caminhões que vêm buscar a produção de leite”, lamenta Schlenert. Ele conta que alguns produtores tiveram que doar o leite para não jogar fora o produto.

    Na comunidade Papuã, houve rompimento de tubulação e equipes da prefeitura trabalharam a noite toda para recuperar os estragos.

    O secretário comenta ainda que há agricultores que perderam toda a produção de olericultura, com estufas totalmente danificadas, e piscicultores que tiveram tanques inundados, perdendo toda a produção de tilápia. Equipes da Secretaria, de outros órgãos da prefeitura e da Defesa Civil estão trabalhando para levantar as perdas no município, mas Schlenert ressalta que há comunidades que estão inacessíveis no momento.

    Cerca de 15% da população de União da Vitória mora na zona rural, sendo a maioria composta por pequenas propriedades com produção focada, principalmente, em leite, hortaliças e peixe.

    Rebouças

    Estrada rural danificada em Rebouças — Foto: Prefeitura de Rebouças

    Já em Rebouças, na região Centro-Sul do estado, em torno de 40% da população vive na área rural. Segundo o prefeito Luiz Everaldo Zak, mais de 1 mil quilômetros de estradas rurais estão comprometidas, com danos em pontes e em torno de 300 bueiros da região. “Somos um município agrícola e a área rural foi a mais atingida”, comenta. O Rio Iguaçu também passa pela cidade.

    O coordenador da Defesa Civil no município, Luis Carlos Squiba, informa, com base em estimativas do escritório local do IDR/Emater, que em torno de 15% das produções de feijão, de trigo e de soja podem ter sido perdidas por causa das chuvas. O feijão está na fase de germinação da primeira safra, com cerca de 2,5 mil hectares plantados, e os danos devem ocorrer devido à inundação e encharcamento do solo.

    + Chuva e granizo no Sul vão prejudicar lavouras de trigo nos próximos dias

    As lavouras de soja estão com aproximadamente 4,2 mil hectares plantados, e também podem ter perdas na fase de germinação da planta. Já o trigo está na fase de colheita. Foram plantados 5 mil hectares do grão na região, com estimativa inicial de produção de 15 mil toneladas.

    Rebouças e União da Vitória estão entre os municípios do Paraná que decretaram situação de emergência. Em todo o estado, mais de 62 mil pessoas foram afetadas pelas chuvas. Relatório preliminar da Defesa Civil do Paraná enviado para a Globo Rural, com dados de 30 municípios atingidos pelas chuvas entre 3 a 12 de outubro, totalizam perdas de mais de R$ 126,7 milhões na agricultura e de R$ 3,7 milhões na pecuária. Os dados foram repassados pelos municípios e há localidades que não informaram os valores, pois ainda trabalham no levantamento das informações.

    “A situação é muito crítica e o rio continua subindo”, adverte Marcelo Schlenert, secretário de Agricultura de União da Vitória. Localizado na região Sul do Paraná, o município é um dos mais atingidos pelos temporais no estado. O nível do Rio Iguaçu, que corta a cidade, ultrapassou 7,8 metros e dados da Defesa Civil apontam que já são mais de 9 mil pessoas afetadas.

    Segundo o secretário, a maior preocupação é relacionada ao escoamento da produção de leite, uma vez que muitas estradas da região estão sem condições de trafegabilidade, incluindo a BR-476 que está com um trecho interditado.

    “A maioria da nossa produção de leite vai para outras cidades. Temos estradas alagadas e pontes danificadas nas comunidades rurais e as rodovias que chegam à nossa cidade também foram afetadas, dificultando a passagem dos caminhões que vêm buscar a produção de leite”, lamenta Schlenert. Ele conta que alguns produtores tiveram que doar o leite para não jogar fora o produto.

    Na comunidade Papuã, houve rompimento de tubulação e equipes da prefeitura trabalharam a noite toda para recuperar os estragos.

    O secretário comenta ainda que há agricultores que perderam toda a produção de olericultura, com estufas totalmente danificadas, e piscicultores que tiveram tanques inundados, perdendo toda a produção de tilápia. Equipes da Secretaria, de outros órgãos da prefeitura e da Defesa Civil estão trabalhando para levantar as perdas no município, mas Schlenert ressalta que há comunidades que estão inacessíveis no momento.

    Cerca de 15% da população de União da Vitória mora na zona rural, sendo a maioria composta por pequenas propriedades com produção focada, principalmente, em leite, hortaliças e peixe.

    Rebouças

    Estrada rural danificada em Rebouças — Foto: Prefeitura de Rebouças

    Já em Rebouças, na região Centro-Sul do estado, em torno de 40% da população vive na área rural. Segundo o prefeito Luiz Everaldo Zak, mais de 1 mil quilômetros de estradas rurais estão comprometidas, com danos em pontes e em torno de 300 bueiros da região. “Somos um município agrícola e a área rural foi a mais atingida”, comenta. O Rio Iguaçu também passa pela cidade.

    O coordenador da Defesa Civil no município, Luis Carlos Squiba, informa, com base em estimativas do escritório local do IDR/Emater, que em torno de 15% das produções de feijão, de trigo e de soja podem ter sido perdidas por causa das chuvas. O feijão está na fase de germinação da primeira safra, com cerca de 2,5 mil hectares plantados, e os danos devem ocorrer devido à inundação e encharcamento do solo.

    + Chuva e granizo no Sul vão prejudicar lavouras de trigo nos próximos dias

    As lavouras de soja estão com aproximadamente 4,2 mil hectares plantados, e também podem ter perdas na fase de germinação da planta. Já o trigo está na fase de colheita. Foram plantados 5 mil hectares do grão na região, com estimativa inicial de produção de 15 mil toneladas.

    Rebouças e União da Vitória estão entre os municípios do Paraná que decretaram situação de emergência. Em todo o estado, mais de 62 mil pessoas foram afetadas pelas chuvas. Relatório preliminar da Defesa Civil do Paraná enviado para a Globo Rural, com dados de 30 municípios atingidos pelas chuvas entre 3 a 12 de outubro, totalizam perdas de mais de R$ 126,7 milhões na agricultura e de R$ 3,7 milhões na pecuária. Os dados foram repassados pelos municípios e há localidades que não informaram os valores, pois ainda trabalham no levantamento das informações.

    Gostou das nossas dicas? Possui alguma outra que gostaria de compartilhar com a gente?

    A situação crítica em União da Vitória

    O impacto das chuvas no município

    O município de União da Vitória, localizado na região Sul do Paraná, está enfrentando uma situação crítica devido às fortes chuvas. O rio Iguaçu, que corta a cidade, atingiu um nível de 7,8 metros, causando o transbordamento e afetando mais de 9 mil pessoas, de acordo com dados da Defesa Civil. Marcelo Schlenert, secretário de Agricultura de União da Vitória, alerta que a situação continua piorando.

    Impacto na produção de leite e agricultura

    Um dos principais problemas enfrentados é o escoamento da produção de leite, uma vez que muitas estradas estão intransitáveis, incluindo a BR-476, que está parcialmente interditada. Schlenert destaca que a maioria da produção de leite do município é destinada a outras cidades, e as estradas alagadas e pontes danificadas estão dificultando o transporte. Alguns produtores tiveram que doar o leite para evitar o desperdício.

    Além disso, há relatos de produtores de olericultura que perderam suas estufas devido aos temporais, e piscicultores que tiveram seus tanques inundados, resultando na perda total da produção de tilápias. Equipes da Secretaria de Agricultura, prefeitura e Defesa Civil estão trabalhando para avaliar os danos no município, mas algumas comunidades ainda estão inacessíveis.

    A situação em Rebouças

    No município de Rebouças, localizado na região Centro-Sul do Paraná, a situação também é preocupante. Cerca de 40% da população vive na área rural e mais de 1 mil quilômetros de estradas rurais foram comprometidos pelas chuvas. Pontes foram danificadas e aproximadamente 300 bueiros sofreram danos. O Rio Iguaçu também passa pela cidade.

    Impacto na agricultura em Rebouças

    O coordenador da Defesa Civil no município, Luis Carlos Squiba, estima que as chuvas tenham causado perdas em torno de 15% das produções de feijão, trigo e soja. O plantio de feijão está na fase de germinação da primeira safra, com cerca de 2,5 mil hectares plantados, e os danos ocorrem devido à inundação e ao encharcamento do solo. A soja, com aproximadamente 4,2 mil hectares plantados, também pode ser afetada na fase de germinação. Já o trigo está na fase de colheita, e foram plantados 5 mil hectares com estimativa inicial de produção de 15 mil toneladas.

    Situação de emergência e prejuízos

    Tanto União da Vitória quanto Rebouças decretaram situação de emergência devido às chuvas. No estado do Paraná, mais de 62 mil pessoas foram afetadas pelas chuvas, resultando em perdas de mais de R$ 126,7 milhões na agricultura e R$ 3,7 milhões na pecuária, de acordo com um relatório preliminar da Defesa Civil. Os valores foram fornecidos pelos municípios afetados, que ainda estão trabalhando no levantamento das informações.

    Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Jornal Do Campo

    Em conclusão, podemos perceber que as chuvas intensas estão causando sérios problemas nas regiões do Paraná. Municípios como União da Vitória e Rebouças estão sofrendo com o transbordamento dos rios e o comprometimento das estradas rurais, afetando diretamente a produção agrícola e pecuária. A situação é crítica e demanda ações emergenciais por parte das autoridades.

    Perguntas:

    1. Quais são os municípios do Paraná mais afetados pelas chuvas intensas?

    R: União da Vitória e Rebouças são alguns dos municípios mais atingidos.

    2. Qual é o principal problema causado pelas enchentes em União da Vitória?

    R: O principal problema é o escoamento da produção de leite, devido às estradas intransitáveis.

    3. Quais são as consequências das chuvas intensas em Rebouças?

    R: Em Rebouças, mais de 1 mil quilômetros de estradas rurais estão comprometidos, além de perdas nas produções de feijão, trigo e soja.

    4. Quais são os setores mais afetados pelas chuvas intensas no Paraná?

    R: A agricultura e a pecuária são os setores mais afetados pelas chuvas intensas no estado.

    5. Quais são os impactos econômicos das chuvas intensas no Paraná?

    R: De acordo com o relatório preliminar da Defesa Civil, as perdas na agricultura somam mais de R$ 126,7 milhões e na pecuária, R$ 3,7 milhões.

    Verifique a Fonte Aqui