Pular para o conteúdo

Do ponto de vista do mercado, a Índia deveria exportar açúcar; confira relatório da hEDGEpoint

Patrocinadores

No seu último relatório, a hEDGEpoint Global Markets abordou a principal razão do governo indiano para uma possível proibição das exportações de açúcar: um aumento sem precedentes no seu índice de preços no consumidor (IPC) acima do seu objectivo. Como a inflação atingiu 7,4% em julho e a meta do Banco Central é de 4%, com limites inferior e superior de tolerância de 2% e 6%, respectivamente, é natural esperar que o governo tome medidas.

“No entanto, devemos lembrar que a culpa não é do açúcar. Ao analisar as taxas de inflação da Índia por grupo, os principais impulsionadores de um índice alimentar mais elevado foram os vegetais, com um aumento de 37,3%, juntamente com as especiarias, que subiram 21,63%. Já o açúcar e os produtos de confeitaria subiram 3,75%. É claro que os resultados das monções de Agosto não são encorajadores e a redução da produção poderá perturbar ainda mais os preços internos. Mesmo assim, muito se falou e muitos rumores afetaram os preços – até a possibilidade de importação está sendo cogitada por alguns. Para tentar saber onde estão os principais riscos e justificar nossa expectativa atual de exportações de 1,3Mt, vamos comparar o mercado atual com o passado”, observa Lívea Coda, analista de Açúcar e Etanol da hEDGEpoint Global Markets.

açúcar-hdgm

Durante as safras 2015/16 e 16/17, o país não só não exportou como também importou açúcar para controlar os preços internos. De outubro de 2015 a setembro de 2017, o preço médio em Delhi, Muzaffar Nagar e Calcutá atingiu US$ 554/t (3.670 INR/qtl), contra a média do mercado global de US$ 374/t para açúcar bruto e US$ 468/t para açúcar branco . “Neste mercado, é seguro dizer que houve muito incentivo às importações e pouco às exportações”, afirma.

Patrocinadores

Segundo o analista, hoje, apesar dos preços em INR/qtl serem extremamente elevados (3.800 INR/qtl), a desvalorização do INR garante um preço mais baixo em USD, em 460,55 USD/t. Com o mercado internacional em alta, com o preço do açúcar bruto acima de 560 USD/te do açúcar branco na faixa de 700 USD/t, as importações não são vantajosas – e as exportações são extremamente atrativas para o setor.

“Usando matemática simples, a Índia deveria continuar a exportar açúcar. O país poderia beneficiar da situação actual e das perspectivas para o mercado. No entanto, não é assim tão simples e os fundamentos como o clima, a produção esperada e os stocks desempenham um papel importante na formulação de políticas”, afirma ela.

A Índia é o maior consumidor de açúcar, sendo responsável pelo desaparecimento de mais de 28 milhões de toneladas anualmente. Sabe-se que o governo do país pretende manter o adoçante em reserva por pelo menos 3 meses. Para 22/23 significaria 7Mt, enquanto para 23/24, 7,3Mt. Até o momento, com o que foi exportado (6Mt) na atual temporada, os estoques estão em valores historicamente baixos, em torno de 4Mt.

Mesmo que a Índia não exporte em 23/24, os estoques não atingirão a “meta”. No entanto, dada a actual configuração do mercado internacional, a hEDGEpoint acredita que não só as importações estão fora de questão, mas algumas exportações também poderão ser permitidas quando os stocks começarem a acumular-se – seria difícil evitar que o sector aproveitasse as elevadas preços. de Açucar.

Patrocinadores

“Isso não significa que estamos fechando os olhos à redução da disponibilidade; na verdade, já há algum tempo que discutimos uma produção de apenas 31,4Mt. Embora a pior ocorrência de monções em anos tenha sido confirmada durante o mês de agosto, continuamos com nossa produção inalterada – ainda falta algum tempo para o início da colheita – e com nossa expectativa de exportação de 1,3Mt”, ressalta. .

açúcar-hdgm1


Jornal do campo
Quer ficar por dentro do agronegócio brasileiro e receber as principais notícias do setor em primeira mão?

Fonte
Gostou das nossas dicas? Possui alguma outra que gostaria de compartilhar com a gente?
Escreva para nós nos comentários!

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Jornal Do Campo

Patrocinadores
Autor