Pular para o conteúdo

Monthly averages are the highest since March

    China raises both the volume imported from BR and the price paid for the Brazilian beef

    Cepea, 4 de setembro de 2023 – Os preços da soja aumentaram no mercado brasileiro em agosto, influenciados pelas incertezas sobre a produção dos Estados Unidos, pela valorização do dólar frente ao real e pela ausência de parte dos agricultores do mercado nacional. Na última semana do mês, os valores foram impulsionados pela maior procura, principalmente vinda do exterior. Os agentes dos processadores brasileiros também estavam mais interessados ​​em fechar negócios, porém, com apenas pequenas valorizações para os subprodutos da soja, as margens de lucro dessas empresas diminuíram, limitando as compras.

    Assim, o Índice ESALQ/BM&FBovespa Paranaguá (PR) subiu 1,2% entre julho e agosto, atingindo média de R$ 148,55/saca no mês passado, a maior desde março, em termos reais (as médias foram deflacionadas pelo IGP-DI de julho/23) . Por outro lado, na comparação anual, a média mensal do mês passado ficou 14,7% abaixo da de ago/22, em termos reais.

    É importante destacar que as vendas de soja nos portos do Sul do Brasil estão em alta. A falta de espaço em Santos (SP) – principal porto de exportação de soja do Brasil – levou esses negócios para os demais portos do país. Os agentes consultados pelo Cepea também relataram dificuldades em fechar negócios para pronta entrega a partir do porto de Paranaguá (PR).

    O Índice CEPEA/ESALQ Paraná subiu 1,8% entre julho e agosto, para R$ 139,84/saca no mês passado, também o maior desde março, em termos reais, mas 17,4% abaixo do de agosto/22.

    Na média das regiões pesquisadas pelo Cepea, os preços da soja subiram 1,7% no mercado de balcão (pago aos agricultores) e 2,5% no atacado (negociações entre processadores). Contudo, nos últimos 12 meses, as cotações caíram 23,4% no mercado de balcão e 23,2% no mercado atacadista, ambas em termos nominais.

    TEMPORADA 2023/24 – Agentes começam a monitorar o clima no Brasil, devido à proximidade da semeadura da safra 2023/24. Segundo a Cptec (agência de previsão do tempo), há 90% de chance de que o El Niño continue atingindo o país pelo menos até o final de 2023. Esse fenômeno tende a elevar o volume de chuvas no Sul e Sudeste do Brasil, o que favoreceria atividades agrícolas. No entanto, espera-se que o El Niño reduza a umidade no norte e nordeste do Brasil.

    (Cepea-Brasil)

    Jornal do campo
    Quer ficar por dentro do agronegócio brasileiro e receber as principais notícias do setor em primeira mão?

    Fonte
    Gostou das nossas dicas? Possui alguma outra que gostaria de compartilhar com a gente?
    Escreva para nós nos comentários!

    Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Jornal Do Campo