19.5 C
Brasília
sábado, fevereiro 4, 2023
spot_imgspot_img

Agronegócio e mineração vão pagar infraestrutura em Goiás • Portal DBO

Foto: Denise Xavier/Agência Assembleia de Notícias

As galerias do plenário da Assembleia Legislativa de Goiás (Alego) ficaram lotadas de produtores rurais. No entanto, a pressão não foi suficiente para frear as iniciativas do governo do Estado para a criação do Fundo Estadual de Infraestrutura (Fundeinfra). Os recursos arrecadados por ele serão utilizados na pavimentação e manutenção de pontes e rodovias em Goiás.

A votação ocorreu no dia 17 de novembro com 22 votos a favor e 16 contra. Um único voto a mais do que o mínimo exigido. O fundo será financiado com uma taxa de 1,65% sobre a venda de produtos agrícolas. Os deputados também aprovaram o projeto do governo que altera o Código Tributário do Estado de Goiás (CTE) para adequá-lo à inclusão do novo fundo.

O fundo será financiado com uma taxa de 1,65% sobre a venda de produtos agrícolas.

O governador Ronaldo Caiado justificou no projeto que “Fundeinfra pagará obras para melhorar a infraestrutura do estado, principalmente na malha viária”🇧🇷 Estima-se que o fundo arrecade pelo menos R$ 700 milhões por ano, podendo chegar a R$ 1 bilhão.

Caiado diz ainda que a cobrança é uma alternativa à queda na arrecadação do ICMS, com a menor arrecadação de alíquotas na venda de combustíveis em Goiás, que criou um rombo de R$ 4 bilhões/ano no caixa do estado. No projeto que altera o CTE, o governador cita ainda a não aplicação do adicional de 2% para o Fundo de Proteção Social do Estado de Goiás (Protege Goiás).

Uma Casa Dividida – Lissauer Vieira, presidente da Alego, votou contra e explicou: “não é fácil produzir grãos, gerar renda, gerar divisas. Você está aqui porque seu coração dói. Vamos atrapalhar? Estou saindo daqui hoje extremamente triste”lamentou.

O líder do Governo, Bruno Peixoto, defendeu a aprovação do projeto. Ele enfatizou que trará melhorias para o Estado.

Anúncios

“O projeto entregue pela Aprosoja e Fundepec ao governo mostra, com muita clareza, os recursos que nosso Estado precisa para a recuperação de estradas pavimentadas e não pavimentadas. E é assim que nosso governo vai agir.”ele afirmou. “Essas ações, nesse primeiro momento, parecem difíceis. Mas não tenha dúvidas de que daqui a quatro anos os que nos vaiam estarão nos aplaudindo. Porque vamos recuperar toda a malha viária do estado de Goiás”enfatizou enfaticamente.

Sabe-se que investimentos em infraestrutura reduzem gastos com combustível, manutenção de veículos e tempo de viagem.

Produtores chamados a contribuir – O governo do estado estima captar entre R$ 700 milhões e R$ 1 bilhão anualmente com o Fundeinfra, fundo que nasceu com alocação exclusiva para infraestrutura voltada para a produção agropecuária, incluindo gestão administrativa e fiscal compartilhada entre o poder público e a iniciativa privada .

Os produtores que aderirem ao Fundeinfra – a contribuição é facultativa e condicionada ao acesso aos benefícios fiscais do Estado – terão representantes tanto no Conselho Gestor quanto no Conselho Fiscal do Fundeinfra.

Caiado, que também é produtor rural, também justificou o projeto de lei pela baixa tributação que incide sobre a produção agrícola e mineral em Goiás. Para se ter uma ideia, em 2021 o setor participou com 1,61% da arrecadação total do Estado.

No último mês de outubro, a produção agrícola apareceu em quinto lugar no ranking de faturamento, mas caiu para o nono quando se avalia a arrecadação do estado sobre os setores produtivos.

No acumulado dos últimos 12 meses, o setor de combustíveis foi o que mais contribuiu com o Tesouro, gerando cerca de R$ 7 bilhões de receita para o Estado; em segundo lugar, o setor gerou R$ 5,5 bilhões; seguido pelo setor atacadista, com uma contribuição de R$ 4,8 bilhões.

Em nono lugar, o setor agropecuário gerou R$ 506 milhões em impostos. A título de referência, apenas no mês de outubro daquele ano, a produção agropecuária faturou R$ 8,037 bilhões.

Fundo MT semelhante foi modelo – Mato Grosso foi o Estado que serviu de exemplo para o Governo de Goiás estruturar um fundo de infraestrutura com aportes do setor agrícola e mineral. Ele encerrará os quatro anos da atual gestão com investimento de R$ 5,65 bilhões por meio de seu Fethab, fundo criado há 22 anos com a mesma origem e destino.

VEJA TAMBÉM | Acrimat pede que candidatos se comprometam com corte de impostos

Ao assumir o governo de MT em 2019, Mauro Mendes, apoiador do governador Ronaldo Caiado pela União Brasil, instituiu a destinação exclusiva de recursos da Fethab para a infraestrutura que atende o setor contributivo do fundo e, com ela, asfaltou e restaurou quase 5.000 quilômetros de rodovias, entre outras obras que contemplam o escoamento da produção rural.

De 2019 a 2022, o governo de MT investiu via Fethab um total de R$ 2,5 bilhões apenas na pavimentação de 2.553 quilômetros de rodovias. A restauração de outros 2.141 quilômetros recebeu mais de R$ 1 bilhão e 70 milhões.

Anúncios

A contribuição do setor agropecuário de MT também foi revertida na construção de 152 pontes de concreto (investimento de R$ 900 milhões), 8 aeródromos (investimento de R$ 27 milhões), manutenção de toda a malha rodoviária estadual (investimento de R$ 518 milhões), compra de equipamentos (investimento de R$ 250 milhões), sinalização viária (R$ 31 milhões), entre outras ações.

*Com informações da Agência Assembleia de Notícias

Fonte: Portal DBO

Related Articles

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Stay Connected

0FãsCurtir
3,693SeguidoresSeguir
0InscritosInscrever
- Advertisement -spot_img

Latest Articles